terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Qual a idade certa para colocar o filho na escola? Psicopedagoga de Caruaru (PE) orienta os pais sobre isso





Os pais de primeira viagem, muitas vezes se perguntam qual a idade certa para colocar o filho na escola?. Outra dúvida é se a criança vai se adaptar com facilidade ao ambiente escolar.

De acordo com a psicopedagoga, Fernanda Lima, de Caruaru (PE) se a criança está começando a entrar na escola pela primeira vez, ela normalmente vai chorar muito.

É importante que os pais estejam preparados para esse momento e que confiem nessa escola. Por isso que se os pais visitaram a escola durante o mês de janeiro e sentiram-se seguros, então é preciso passar segurança para o filho também.

Neste período de férias, é importante que os pais levem o filho à escola para dá um passeio cerca de 10 minutos a cada dois dias, por exemplo. Esse é um momento precioso para que a criança conheça o ambiente escolar e possa se adaptar com mais facilidade.

Fernanda Lima ainda orienta que quando for ao primeiro dia de aula, a família possa levar a criança à escola sempre passando confiança e alegria. Se a mamãe é sensível nesse momento e chora com facilidade, deixe o papai trazer a criança.

Não é indicado que você deixe o filho na escola e saia correndo, porque a adaptação precisa ser progressiva. Se os pais trabalham no horário de aula então traz a babá, a vovó, uma tia ou alguém de confiança do filho. É importante também levar o brinquedo, a fralda, chupeta e um lanchinho que ele coma com mais facilidade.

QUAL A IDADE CERTA?

Ainda segundo a psicopedagoga, a idade certa para colocar o filho na escola é a partir do momento que a criança começa a andar, geralmente por volta de 1 aninho de idade. Talvez ela nem fale ainda, mas se já tem condições de participar do ambiente social então é recomendado.

Os pais devem procurar uma escola que ofereça serviços para crianças com essa idade e verifique se tem um conteúdo pedagógico saudável.

Fernanda é graduada em Pedagogia e tem Título de Especialização de Psicopedagogia Clínica e Institucional e Transtorno do Espectro – Autismo e Educação Especial. Ela também é palestrante em Caruaru (PE) sobre comportamento pedagógico infantil.

Informações da Psicopedagoga, Fernanda Lima / Texto adaptado pelo Jornalista e Assessor de Imprensa, Fillipe Rodollfo (@pautarcom)


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Psicopedagoga de Caruaru dá dicas de como os pais devem escolher a escola para criança especial



Os pais quem tem filho com alguma patologia, muitas vezes não sabem procurar uma escola ideal para as necessidades da criança. A psicopedagoga, Fernanda Lima, de Caruaru (PE) traz dicas importantes que podem ajudar essas famílias.

De acordo com ela, a criança que tem síndrome de Down ou autismo deve ser incluída numa educação especial, juridicamente é uma criança que necessita de cuidados especiais.

Atualmente, quando a gente fala que a minha criança é especial, já contextualiza que ela é doente e isso é um termo muito forte.  Para os pais encontrar a escola ideal para a criança, primeiramente é preciso conhecer a patologia e as necessidades do filho.

Existem crianças autistas, por exemplo, que falam e andam e outras não; que tem dificuldade com o relacionamento social, por isso que é necessário os pais entender o limite do filho, para depois disso procurar uma escola ideal.

Infelizmente, o Brasil e até mesmo outros países são carentes de informação sobre uma estratégia pedagógica para uma criança especial. Então você precisa encontrar um espaço agradável aonde vai agregar o seu filho.

A educação especial exige que o ambiente educacional inclua a criança, mas na maioria das vezes não se tem uma preparação, porque ainda existem muitas dúvidas sobre isso. O custo para uma escola atender uma criança com patologia é alto.

Outra orientação para quem tem um filho com síndrome de Down, por exemplo, precisa encontrar uma escola acolhedora, que você tenha fácil acesso, inclusive até para levar o profissional que atende o seu filho.

Ou seja, o ponto chave para essas crianças que requer cuidados e atenção é uma escola que se preocupe. Que possa trazer um planejamento, ideias e estratégias para as limitações que aquela criança necessita.

Fernanda é graduada em Pedagogia e tem Título de Especialização de Psicopedagogia Clínica e Institucional e Transtorno do Espectro – Autismo e Educação Especial. Ela também é palestrante em Caruaru (PE) sobre comportamento pedagógico infantil.

Informações da Psicopedagoga, Fernanda Lima / Texto adaptado pelo Jornalista e Assessor de Imprensa, Fillipe Rodollfo (@pautarcom)

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Dica da psicopedagoga, Fernanda Lima



Geralmente, o transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) começa na infância e prossegue pela vida adulta. Ele pode contribuir para a baixa autoestima, relacionamentos conturbados e dificuldades na escola ou no trabalho. Não tem cura, mas o tratamento pode ajudar a pessoa a ter uma vida melhor. 



sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Conheça as características do déficit de aprendizado infantil



Hoje vamos falar aqui no blog sobre o déficit de aprendizado infantil, chamado também de TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade). Normalmente, é muito difícil os pais identificarem o TDAH quando a criança tem de 1 a 2 anos de idade, quando ela começa a andar surge muitas dúvidas para os pais, se a criança é bastante agitada ou se contextualiza uma hiperatividade (muito ativo).

É muito prematuro dizer que uma criança de 3 ou 4 anos de idade é hiperativa, por isso que é importante os pais ficarem em alerta para as características que ela pode apresentar. Na consulta a gente entrevista a família para identificar o ambiente que a criança vive, e a partir disso analisa o caso.

É preciso verificar a hiperatividade se a criança recebe muitos estímulos da família como receber, por exemplo, presentes em excesso. Muitas vezes não são por parte da criança, mas sim do estímulo da família.

O TDAH tem haver com a hereditariedade, por isso que é importante o diagnóstico desde cedo. Apesar do TDAH não ter cura, o tratamento ajuda a criança a ter uma vida melhor.

Informações da Psicopedagoga, Fernanda Lima, em entrevista.
Texto adaptado pelo jornalista e Assessor de Imprensa, Fillipe Rodollfo


domingo, 1 de janeiro de 2017

Feliz 2017!


Aos nossos leitores, clientes, familiares e amigos um 2017 com bênçãos e realizações. Que seja um recomeço de grandes conquistas!

Feliz ano novo!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Psicopedagoga, Fernanda Lima, dá dicas aos pais sobre férias infantil



Nesta segunda-feira (02) a Psicopedagoga, Fernanda Lima, vai falar sobre férias infantil no programa ‘Cotidiano’, às 11h05 da manhã na TV Jornal (SBT). Neste período muitos pais ou responsáveis, não sabem quais atividades que devem fazer com os filhos, ou até mesmo, enquanto eles trabalham as crianças estão de férias, que muitas vezes pode ser um problema.

A psicopedagoga vai passar dicas e orientações para deixar o lazer da criançada mais divertido no ambiente familiar. A entrevista foi gravada com a apresentadora, Marcela Calado. Fernanda é graduada em Pedagogia e tem Título de Especialização de Psicopedagogia Clínica e Institucional e Transtorno do Espectro – Autismo e Educação Especial. Ela também é palestrante em Caruaru (PE) sobre comportamento pedagógico infantil.

Créditos: Jornalista e Assessor de Imprensa, Fillipe Rodollfo / @pautarcom

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Projeto de leitura infantil é realizado em Caruaru (PE)




A Pautar Comunicação & Imprensa, através do Jornalista Fillipe Rodollfo, acompanhou a Psicopedagoga, Fernanda Lima e a Fonoaudióloga, Dra. Lílian Tabosa no encerramento das atividades deste ano do projeto 'Paixão de Ler, Leitura Viva', no colégio Bela Flor em Caruaru (PE).

O evento reuniu pais, alunos e professores da unidade escolar. Lílian e Fernanda, que fazem parte da instituição de ensino e são assessoradas pela Pautar, destacaram a importância do projeto que tem o objetivo de fortalecer a leitura no desenvolvimento infantil.

Várias dinâmicas foram apresentadas pelos estudantes, entra elas: contos e histórias da literatura brasileira. O evento ocorreu na noite de sexta-feira (16).

Créditos: @pautarcom